23 abril 2012 09h22 - Atualizado em 23 abril 2012 09h29

Depois de dois anos sem participar da Virada Cultural, por conta de obras para restauro, o centenário Municipal volta a participar da grande festa de rua que toma São Paulo por 24 horas.
 
Entre as 19h do sábado, dia 05, e as 18h do domingo, dia 06, o público poderá acompanhar a apresentação de consagrados nomes da música brasileira e seus discos mais emblemáticos. Passarão por lá Arnaldo Baptista (ex-líder de Os Mutantes), Cauby Peixoto (que se apresentará com Angela Maria), Edy Star (e banda Monomotor), Badi Assad e Balé Teatro Castro Alves, Leci Brandão e Zezé Motta.
 
Os ingressos, no entanto, deverão ser retirados até a véspera, dia 04, sexta-feira. A Ingresso Rápido, responsável pela infra-estrutura operacional de distribuição das entradas, dará início às reservas na próxima terça, dia 24/04, a partir das 10h, através do site www.ingressorapido.com.br/prefeitura ou pelo telefone 4003.2050. A retirada presencial deverá acontecer em um dos 34 pontos de distribuição credenciados pela Ingresso Rápido (espalhadas pela cidade) ou no próprio Theatro.
 
Então, diferentemente dos anos anteriores, os interessados em assistir as apresentações no Municipal deverão se programar. Não serão distribuídos, sob nenhuma hipótese, ingressos durante a Virada Cultural.
 
 
Os espetáculos que passarão pelo Theatro Municipal
 
19h – Arnaldo Baptista - SARAU O BENEDITO?
Nome bastante influente no rock e pop brasileiros, Arnaldo Baptista, ex-líder de Os Mutantes, apresenta um espetáculo intimista e envolvente. Ele canta e toca piano de cauda e traz, como vídeo-cenário, projeções de desenhos de sua obra como artista plástico. No repertório de “Sarau o Benedito?”, Baptista apresenta seus clássicos, como “Cê Tá Pensando que Eu Sou Loki?”, “Não Estou nem Aí”, “Jesus Come Back to Earth” e “Balada do Louco”, além de inéditas do novo álbum “Esphera”, como “I Don’t Care” e “Walking in the Sky”. Todas alternadas com canções de ídolos como Bob Dylan, Elt on John, The Mamas and The Papas, entre outros.
 
21h30 – Cauby Peixoto e Ângela Maria – ODEON (1982)
 
Ângela Maria, considerada uma das mais puras vozes da música brasileira e Cauby Peixoto, “o professor”, revivem antigas parcerias de suas carreiras.
 
Cauby, dono de uma voz grave e marcante e pelos penteados e figurinos exuberantes é um dos maiores crooners da nossa música. Com mais de 60 anos de carreira, já interpretou e gravou músicas dos mais importantes compositores da MPB. O início de sua carreira foi ainda na década de 50, através de programas de calouros, em rádios. Seu primeiro disco, “Carnaval” foi lançado em 1951, com o samba “Saia Branca”, de Geraldo Medeiros e a marcha “Ai, que carestia”, de Victor Simon.
Grande intérprete do período samba-canção, Ângela Maria gravou grandes sucessos do gênero. Também trabalhou como atriz e, na década de 90, lançou disco com participação de nomes como Roberto Carlos, Caetano Veloso, Gal Costa e Alcione.
 
 
00h – Edy Star e Banda Monomotor – SWEET EDY (1970)
 
O músico baiano, que já passou 18 anos como entertainer em cabarés na Espanha, é também ator, encenador e folclorista. Já gravou diversas composições dos mais variados artistas, como Roberto e Erasmo Carlos (“Claustrofobia”), Gilberto Gil (“Edith Cooper”), Caetano Veloso (“O Conteúdo”), Leno (“Superestrela”), Jorge Mautner (“Olhos de Raposa”) e dos Novos Baianos Moraes Moreira e Galvão (“Pro que Der na Telha”). Edy também participou da gravação de “Sociedade da Grã Ordem Kavernista apresenta Sessão das Dez”, anárquico e emblemático disco de Raul Seixas. 
 
 
12h – Badi Assad e Balé Teatro Castro Alves – VERDE (2004), A QUEM POSSA INTERESSAR
 
“Verde, A Quem Possa Interessar” é o resultado do encontro do Balé Teatro Castro Alves, de Salvador/BA, com a cantora Badi Assad. O espetáculo, que tem coreografia de Henrique Rodovalho e direção artística de Jorge Vermelho, utiliza-se da junção das linguagens da dança, do teatro e da música para a revelação de depoimentos pessoais que compõem o trabalho.
 
 
14h30 – Leci Brandão – DIGNIDADE (1987)
 
Carioca nascida em Madureira, Leci foi a primeira mulher a integrar a ala de compositores da Mangueira, levada por Zé Branco. Em 1973, gravou seu primeiro compacto simples e, já no seguinte, lançou seu primeiro disco (“Antes que Eu Volte a Ser Nada”), pelo qual recebeu inúmeros prêmios e elogios da crítica. Hoje acumula quase 40 anos de carreira e 23 discos lançados.
 
“Dignidade” foi o sétimo LP lançado pela cantora. Dedicado a Yansã, sua protetora, tem, entre suas faixas, “Só Quero te Namorar” e “Me Perdoa Poeta”, canção em homenagem aos sambistas de São Paulo. 
 
17h – Zezé Motta – ZEZÉ MOTTA (1978)
 
Carioca, nascida em Campos, estudou teatro no Tablado e Maria Clara Machado. E, desde cedo, dividiu sua carreira entre a música e a atuação. Como atriz, estreou em “Roda Vida”, de Chico Buarque, sob direção de José Celso Martinez Correa. Começou a cantar, em 1971, em casas noturnas de São Paulo.

Zezé apresentará, no Theatro Municipal, o seu primeiro disco, lançado em 1978. Seu último trabalho foi o CD “Negra Melodia”, de 2011, com obras de Jards Macalé e Luiz Melodia. 
 
 
 
Atendimento à Imprensa
 
Foco Jornalístico – www.focojornalistico.com.br
viradacultural@focojornalistico.com.br
(11) 3023.3940 / (11) 3023.5814
 
Regina Cintra – regina@focojornalistico.com.br
Laila Abou – laila@focojornalistico.com.br
Mônica Santos – monica@focojornalistico.com.br

assessoria de imprensa